quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Caetano Veloso - Outras Palavras (1981)

Esse disco, do Caetano, é um dos mais importantes na carreira de Leminski, não apenas musical, mas da carreira como um todo. Nele está a canção Verdura, música e letra de Leminski (tecnicamente, Ivo Rodrigues poderia entrar como parceiro, pois teve participação na criação da harmonia). É com o Lp que Leminski atingiu um maior público, ele, poeta da então região metropolitana de São Paulo, Curitiba. Ele, romancista, mas de um romance todo experimental, o Catatau, restrito à círculos intelectuais e acadêmicos. Com esse disco, o nome de Leminski invadiu outras paragens, ao lado do nome de Caetano. Não é a toa que, em 1982, logo após o lançamento do mesmo, o poeta da província sairia em ampla matéria na revista Veja, com atenção especial à sua obra musical e ouvidos atentos à canção gravada pelo baiano:

"Desde que Caetano Veloso gravou a faixa “Verdura” em seu vitorioso último LP, o poeta paranaense Paulo Leminski, autor da canção, transformou-se numa das citações indispensáveis da temporada entre a juventude de São Paulo e do Rio de Janeira. Através de uma melodia forte, combinando rock e samba de roda, e de uma letra de saboroso humor negro, Leminski surgiu como uma das raras e boas surpresas da música brasileira, uma novidade a se discutir e nela apostar, confirmada pela gravação de sua belíssima “Valeu”, no LP de Paulinho Boca de Cantor. Agora, com duas canções entre as mais executadas nas rádios FM do país — ‘Mudança de estação’, com a Cor do Som e ‘Chapéu de marinheiro’, com o grupo Blindagem —, ele conquista uma popularidade tão justa quanto avessa à sua personalidade."

É dessa época também que iniciaram os convites para articulista regular de vários periódicos, como o jornal Folha de São Paulo e a própria revista Veja. Na minha opinião, o fato dessa canção ainda ser a mais conhecida do Leminski é muito simples: Caetano é o mais célebre de seus intérpretes. No disco, ainda podemos rastrear pegadas de Leminski, numa alusão ao Catatau, na última estrofe da canção Outras Palavras. Sua construção lembra o estilo "canábico" de escrita, recheado de palavras-valíse, trocadilhos, linguismos e neologismos:


Parafins, gatins, alphaluz, sexonhei da guerrapaz
Ouraxé, palávoras, driz, okê, cris, espacial
Projeitinho, imanso, ciumortevida, vivavid
Lambetelho, frúturo, orgasmaravalha-me Logun
Homenina nel paraís de felicidadania:
Outras palavras


Sobre Verdura:
Conta-se que foi concluída a partir de uma notícia de jornal sobre o tráfico de crianças na Colômbia. "Síntese de tropicalismos", nas palavras de Régis Bonvicino, ou, como diz Caetano, um "haikai da formação cultural brasileira". Não considero a melhor música do Tio Lema. Canções como Luzes ou Mudança de Estação e muitas outras parcerias, são, para mim, muito mais atrativas e bem acabadas, mas, como já aventamos, Verdura ainda é a mais pop mesmo - porque Caetano é pop (corruptela de popular, como ele bem lembra, na belíssima cena de Uma Noite em 1967.) Leminski publicou a letra de Verdura como poema no livro Não fosse isso e era menos. Não fosse tanto e era quase. Também gravaram a canção João "Bicho do Paraná" Lopes e a Banda Blindagem. Não vou delongar na análise, é melhor ouvir. That is it!

lmsk (áudio do CD + imagens do Lp)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá. Para comentários, use o nosso mural:
http://liricoleminski.blogspot.com.br/search/label/%5Bmural%5D.
Obrigado!